Ele

…e todos estavam admirados com sua aparência e suas palavras. Talvez fosse, enfim, aquele que todos esperavam. Todavia, para grande surpresa da plateia, ele deu indícios abruptos de que já ia partir. Mas vejam, ainda tinha algo a falar; e começou a fornecer detalhadas explicações – algo que ninguém esperava – sobre a melhor forma de distribuir elementos para obter uma determinada resposta de um misterioso equipamento que ainda não era conhecido por aquele mundo. E, em seguida, se pôs a falar sobre a melhor maneira de encaixar as coisas em um mundo feito de coisas, pois ele – logo ele, mais do que ninguém – deveria conhecer profundamente as coisas dos mundos. E ele se foi; e as equações foram testadas e as especificações eram inquestionáveis. E aquelas pessoas – e gerações seguintes – passaram o resto de suas vidas construindo e revisando explicações que tivessem como claros e indubitáveis os resultados das informações que haviam recebido naquele dia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *